Brasil

TRF-2 condena Picciani e outros 2 ex-deputados por corrupção

A 1ª Seção Especializada do Tribunal Regional Federal da 2ª Região condenou, nesta quinta-feira (28/3), os ex-deputados do MDB Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Picciani foi condenado a 21 anos de prisão, Melo a 12 anos e cinco meses, e Albertassi a 13 anos e quatro meses. O julgamento foi unânime.

Os três foram presos na operação “cadeia velha”, desdobramento da “lava jato”, acusados de integrar esquema chefiado pelo ex-governador Sérgio Cabral e de garantir vantagens para a Fetranspor e a Odebrecht na Assembleia Legislativa do do Rio de Janeiro (Alerj).

O tribunal manteve as prisões cautelares aos parlamentares e Jorge Picciani continuará em prisão domiciliar. Os magistrados seguiram voto do relator, desembargador Abel Gomes, e acolheram ainda o pedido do revisor, desembargador Messod Azulay, para que eles sejam declarados inelegíveis por oito anos. As informações são do jornal O Globo.

No mesmo dia, o juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do RJ, condenou o empresário Jacob Barata; o filho de Picciani, Felipe Picciani; e outras 10 pessoas por crimes na mesma operação “cadeia velha”.

Em nota, a defesa do Dr. Lelis Teixeira, um dos condenados, por meio de seus advogados Fernanda Freixinho e Daniel Raizman, afirmou que “rejeita enfaticamente os termos da sentença por considerar que a mesma é arbitrária e contrária à prova produzida no processo. A sentença será recorrida, a fim de que o Tribunal Regional reconheça sua inocência”.

Denúncia

A operação apurou o pagamento de propina por parte de empresários ligados à Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor), entidade que reúne as empresas de ônibus do estado do Rio de Janeiro.

De acordo com a denúncia do MPF, Picciani recebeu os valores por ordem do empresário do ramo de ônibus José Carlos Lavouras, que agia em nome dos demais denunciados ligados à Fetranspor: Jacob Barata Filho, Lélis Teixeira e Marcelo Traça.

alerj assembléia jorge picciani policia federal
Posts relacionados
Brasil

Juíza alerta sobre números "assustadores" de feminicídios no país

Brasil

Justiça de São Paulo homologa plano de recuperação judicial da Avianca

Brasil

Governo manda convocar mil aprovados em concursos para a Polícia Federal

Brasil

Análise de planejamento abusivo da Receita é questionável, diz especialista

Assine nossa newsletter e receba o boletim semanal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *