Tribunais regionais

TJ-AM suspende contratação de R$ 19 milhões em livros didáticos sem licitação

O juiz Leoney Figliuolo, da 2ª Vara da Fazenda Pública do estado do Amazonas, concedeu liminar suspendendo uma contratação do estado de R$ 19 milhões em livros didáticos para estudantes e professores da rede estadual devido a ausência do procedimento licitatório.

A decisão é de 18 de dezembro de 2018. Em 30 de janeiro deste ano, a Procuradoria-Geral do Estado confirmou ao juízo que não fez a compra.

Na sentença, o magistrado acatou o pedido de uma ação popular. Ele afirmou que o “vultuoso valor” do contrato, que seria pago em uma única parcela, justifica a tutela de urgência.

Além disso, segundo o juiz, a dificuldade de acesso ao procedimento administrativo narrada pelo autor da ação também demonstra o desrespeito ao princípio da publicidade, um dos esteios da Administração Pública.

“A licitação é meio obrigatório para contratação de bens e serviços pela Administração Pública, e como todos os outros atos administrativos, também é norteada pelos princípios constitucionais da legalidade, impessoalidade moralidade, publicidade e eficiência, além de princípios e legislação próprios, como o da vinculação ao instrumento convocatório”, explica.

Segundo o juiz, a finalidade de se realizar o processo licitatório é garantir possibilidade de uma competição isonômica e impessoal entre todos os interessados por meio de regras legais que atendam ao superior interesse público.

“Os casos de dispensa e inexigibilidade de licitação envolvem, na verdade, um procedimento especial e simplificado para seleção do contrato mais vantajoso para a Administração Pública”, aponta.

Para o magistrado, “as hipóteses de contratação direta são bastantes heterogêneas entre si, impedindo estabelecer regras padrões”.

Seguir Regras

Para o advogado do caso, João Roberto Machado, sócio do escritório Villela, Machado & Brasiel Advogados, apesar de o Tribunal de Contas da União ter entendimento consolidado no sentido de que a aquisição de livros didáticos deve ser feita por contratação direta (inexigibilidade de licitação), isso não significa dizer que a contratação possa ser feita de qualquer maneira.

“Deve ser observada a supremacia do interesse público, apresentando informações concretas que justifiquem a compra de fornecedor específico. A decisão liminar que suspendeu a compra foi precisa ao identificar que sequer houve estudo que justificasse a aquisição da enorme quantidade de livros por meio de um pagamento em parcela única em valor tão alto”, diz.

0660341-25.2018.8.04.0001

Posts relacionados
Tribunais regionais

Banco indenizará credor negativado depois de decisão transitar em julgado, diz TJ-SP

Tribunais regionais

Juiz de SP homologa plano de recuperação judicial da Livraria Cultura

Tribunais regionais

Ação pede nulidade do passaporte diplomático concedido ao bispo Edir Macedo

Tribunais regionais

Corregedoria de RO cogita desenvolver sistema para comunicação eletrônica de venda de veículos

Assine nossa newsletter e receba o boletim semanal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *