STF

Suspensa licitação do STF para compra de lagosta e bebidas alcoólicas

A juíza Federal Solange Salgado, da 1ª vara do DF, suspendeu edital de licitação aberto pelo STF para compra de refeições institucionais no valor de R$ 1,13 milhão. A magistrada atendeu ao pedido liminar em ação popular, que questionou a legalidade e moralidade da compra.

De acordo com o edital, a empresa que ganhar o processo licitatório terá de servir café da manhã, brunch, almoço, jantar e coquetel, com diversos tipos de bebidas. Pelo cardápio, seriam servidos bobó de camarão, camarão à baiana, medalhões de lagosta servidas com manteiga queimada, bacalhau à Gomes de Sá, frigideira de siri, moqueca capixaba e baiana, e arroz de pato, uísque, gin, vodca, campari, vinhos brancos e tintos nacionais premiados, licores e digestivos.

Para a magistrada, o alto valor previsto no edital para custear uma atividade-meio é “desproporcional e tem potencial de ferir a moralidade administrativa”. A juíza ainda endossou que os itens exigidos “destoam sobremaneira da realidade socioeconômico brasileira, configurando um desprestígio ao cidadão brasileiro que arduamente recolhe seus impostos para manter a máquina pública funcionando a seu benefício”.

“A moralidade administrativa, como se sabe, consiste num conjunto de valores éticos que estabelecem um padrão de conduta que deve ser seguido pelos agentes e gestores públicos – notadamente por aqueles que ocupam os cargos mais altos na estrutura do Estado – visando uma atuação honesta, íntegra, ilibada e de proteção à coisa pública, especialmente ao dinheiro público.”

Assim, deferiu a liminar para suspender o processo licitatório, especialmente a celebração de contrato com a empresa vencedora do certame.

Processo: 101116-39.2019.4.01.3400

Posts relacionados
STF

Gilmar defende que delatados possam questionar acordos de delação premiada

STF

Ministros do STF e imprensa debatem fake news em evento da OAB

STF

Fachin nega pedido de Delcídio para substituir prestação de serviço por multa

STF

Rosa Weber dá cinco dias para Bolsonaro explicar decreto do porte de armas

Assine nossa newsletter e receba o boletim semanal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *