STJ

STJ mantém indenização de R$ 400 mil a caseiro Francenildo por quebra de sigilo

Por unanimidade, a 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça manteve, nesta terça-feira (12/3), indenização por danos morais de R$ 400 mil ao caseiro Francenildo Costa pela quebra indevida de seu sigilo bancário em 2006. O episódio levou à queda do então ministro da Fazenda, Antonio Palocci, no governo Lula.

Em março daquele ano, Francenildo ficou conhecido ao declarar que Palocci havia frequentado várias vezes a casa onde trabalhava, em Brasília. O local, segundo a CPI dos Bingos, era usado para lobistas discutirem negócios envolvendo o governo federal. Poucos dias depois, a revista Época divulgou que ele havia recebido cerca de R$ 38 mil em sua conta.

A indenização deverá ser paga pela Caixa Econômica Federal, que já tinha sido condenada em segunda instância. No voto, o relator, ministro Moura Ribeiro, afirmou que o STJ pode rever o valor de indenização apenas quando a quantia fixada é irrisória ou exorbitante.

“Por isso, o STJ só iria rever a fórmula da correção e partir de quando. Com isso, voto para manter entendimento do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, determinando que o valor dos danos morais seja corrigido para os R$ 400 mil”, disse.

Segundo Moura Ribeiro, está comprovada que houve quebra indevida do sigilo bancário do caseiro. “Ação foi revelada pela informação a terceiros, desprovida de previsão legal, acerca da movimentação ocorrida na sua conta poupança com expressa violação de dispositivos do Código Civil e do Consumidor, explicou.

Em setembro de 2010, a Justiça Federal do Distrito Federal deu vitória a Francenildo, classificando a quebra de seu sigilo bancário como ilegal e fixando indenização por danos morais de R$ 500 mil. Cinco anos depois, o TRF-1 manteve a condenação da Caixa, mas reduziu o valor para R$ 400 mil.

REsp 1.766.987

0011504-13.2006.4.01.3400 – TRF-1

Posts relacionados
STJ

Execução fiscal pode ser redirecionada sem desconsideração da pessoa jurídica, diz STJ

STJ

Estado deve custear exame de DNA em caso de Justiça gratuita, decide STJ

STJ

STJ decide que condomínios não podem proibir animais em casa

STJ

STJ mantém decisão que proíbe publicação de livro sobre caso Nardoni

Assine nossa newsletter e receba o boletim semanal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *