Ministério Público Federal

Raquel Dodge arquiva pedido de suspeição de Gilmar Mendes

Gil Ferreira/Agência CNJ

Para a PGR, “as evidências materiais narradas na representação não indicam amizade íntima” 

A Procuradora Geral da República Raquel Dodge arquivou nesta segunda-feira o pedido da Lava Jato para que o ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes fosse declarado suspeito nas investigações envolvendo Paulo Vieira de Souza (Paulo Preto) e o ex-senador Aloysio Nunes (PSDB).

Para a PGR, “as evidências materiais narradas na representação não indicam amizade íntima que possa justificar, sob o critério jurídico-processual, arguir a exceção de suspeição do relator, inclusive porque ele, diante do esclarecimento dos fatos pela Juíza da causa, revogou sua liminar e permitiu o curso regular da ação penal que resultou em condenação a pena elevada”.

Gilmar Mendes (STF)

Na semana passada, a força-tarefa do Ministério Público Federal do Paraná que atua na operação Lava Jato encaminhou pedido para que a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, peça a suspeição do ministro do STF Gilmar Mendes em investigações referentes ao ex-senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB) e ao ex-diretor da Dersa Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, apontado como operador tucano.

No pedido encaminhado a Dodge, a força-tarefa alega que Gilmar não pode atuar em casos referentes a Aloysio Nunes em virtude de ligações que tem com ele. Segundo os procuradores, o ex-ministro “buscou interferir em julgamento de habeas corpus em favor de Paulo Vieira de Souza, em contato direto e pessoal com o ministro Gilmar Mendes”.

Paulo Preto e Aloysio Nunes foram alvos da 60ª fase da Lava Jato — o primeiro foi preso e o segundo teve a casa alvo de mandado de busca e apreensão.

Os procuradores queriam impedir que Mendes apreciasse uma reclamação apresentada pela defesa do ex-diretor da Dersa para que as investigações que levaram à prisão dele sejam remetidas à Justiça Eleitoral de São Paulo por suposta conexão com inquérito que mira propinas em contratos da companhia para abastecer campanhas do PSDB. A juíza federal Gabriela Hardt, que cuidava do caso em Curitiba, já manifestou contra o pedido.

Na quarta-feira, Paulo Preto foi condenado a 145 anos e 8 meses de prisão, em regime fechado, por ter comandado um esquema de desvio de mais de 7 milhões de reais que deveriam ter sido destinados a moradores impactados pelas obras do Rodoanel.

Com informações do Antagonista e Terra

Sobre o autor

Jornalista, editor de Painel Político, consultoria em comunicação
Posts relacionados
Ministério Público Federal

Procurador da "lava jato" anuncia aposentadoria aos 55 anos para atuar com consultor em compliance

Ministério Público Federal

Janot adia aposentadoria por suspeita de ser alvo de investigação sigilosa

Ministério Público Federal

MPF suspende ideia da Fundação Lava Jato

Ministério Público Federal

Acordo entre MPF de Curitiba e Petrobras colocam o parquet em suspeição

Assine nossa newsletter e receba o boletim semanal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Worth reading...
Juíza se antecipa ao Supremo e declara inconstitucional artigo 28 da Lei de Drogas