STJ

MPF denuncia advogado por tráfico de influência no STF e no STJ

A Procuradoria da República no Distrito Federal denunciou, nessa terça-feira (19/3), o advogado Antônio Amauri Malaquias de Pinho por exercer tráfico de influência em decisões que seriam proferidas no Supremo Tribunal Federal e no Superior Tribunal de Justiça.

A ação penal teve como base uma investigação da polícia federal iniciada em 2017. Segundo o inquérito, o advogado negociou valores a para influir em decisões nos tribunais superiores que garantiriam a recondução de um cliente, o ex-prefeito de Ferraz de Vasconcelos (SP), Acir Filló dos Santos, à época afastado de seu cargo pela Justiça estadual.

No documento, o MPF diz que Antônio Pinho solicitou o pagamento de R$ 800 mil para garantir provimento de recurso no STJ. No entanto, o recurso apresentado pelo político foi indeferido. Com a remessa do processo ao STF, desta vez, Amauri pediu R$ 2 milhões para assegurar que a decisão daquele tribunal seria favorável à recondução do político.

As investigações apontaram conversas sobre as negociações via WhatsApp entre o advogado e o ex-prefeito. A peça usa prints do aplicativo que foram entregues por Acir dos Santos. Em um dos trechos Antônio Amauri diz: “O pessoal garantiu o resultado, data… td certo (…)”.

O MPF enviou cópia da denúncia para a OAB, a fim de que sejam adotadas providências disciplinares quanto ao denunciado. Também pediu à Polícia Federal a instauração de um novo inquérito a fim de apurar a prática de possível crime de lavagem de bens e ativos. A suspeita é motivada por um laudo de perícia criminal que apontou incompatibilidade entre as declarações fiscais e as movimentações bancárias de Amauri em 2016.

Com informações da Assessoria de Imprensa da Procuradoria da República no Distrito Federal.

Posts relacionados
STJ

Plano de saúde não deve custear fertilização in vitro, define STJ

STJ

Condômino inadimplente não pode ser impedido de usar áreas comuns do prédio, decide STJ

STJ

STJ nega liberdade a mãe de 4 crianças que furtou leite em pó

STJ

Execução fiscal pode ser redirecionada sem desconsideração da pessoa jurídica, diz STJ

Assine nossa newsletter e receba o boletim semanal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *