Ministério Público Federal

Ministério Público denuncia advogado que prometia ‘limpar nome sujo de clientes’

Ele teria usado informações falsas para tentar enganar Justiça

O Ministério Público do Distrito Federal (MPDFT) apresentou denúncia contra o advogado Felipe Luiz Alencar Vilarouca, de 28 anos, pelos crimes de estelionato e falsificação de documento particular.

Segundo as investigações, o defensor prometia retirar o nome de devedores dos serviços de proteção ao crédito, como SPC e Serasa. Além disso, fornecia informações falsas para enganar a Justiça.

A denúncia do MP afirma que o Felipe Vilarouca usava as redes sociais para atrair clientes. A eles, prometia ser capaz de “limpar” o nome sujo e ainda dizia que poderiam receber uma indenização de R$ 10 mil por danos morais. Para isso, os interessados deveriam repassar 50% do valor recebido para o advogado.

Trecho de denúncia do MP contra o advogado Felipe Vilarouca. — Foto: Reprodução

Trecho de denúncia do MP contra o advogado Felipe Vilarouca. — Foto: Reprodução

Ao todo, dez pessoas ajuizaram ações do tipo com o advogado, o que renderia a ele lucro de R$ 50 mil. Todas elas eram devedoras e não tinham cumprido com pagamentos, por isso estavam com o “nome sujo”.

Os pedidos foram distribuídos ao Segundo Juizado Especial Cível e Criminal de Santa Maria. Nas ações, de acordo com a denúncia do MP, o advogado mentia e alegava que a inscrição dos clientes em serviços de proteção de crédito era indevida e, por isso, eles deveriam receber indenizações.

“Com efeito, a despeito de as inscrições serem legítimas, na medida em que as vítimas, de fato, não haviam adimplido suas obrigações relativas aos negócios jurídicos firmados com as empresas, o denunciado, em posse de procurações e documentos pessoais dos devedores, ajuizou ações expondo fatos inverídicos”, diz denúncia do MP.

Ainda segundo o documento, “o denunciado, mediante ardil, pretendia usar o Poder Judiciário como meio para obter vantagem ilícita, em acordos que poderiam ser celebrados com as empresas requeridas nas audiências de conciliação, sem o crivo de um juiz de direito”.

Antes de que os casos pudessem ser analisados, no entanto, a fraude foi descoberta e o advogado, junto com os clientes, foi condenado a pagar multa.

Falsificação

Segundo o Ministério Público, em outros dois casos, Vilarouca entrou com ações judiciais similares utilizando o nome de pessoas que nunca haviam solicitado os serviços dele. O advogado teria falsificado comprovantes de residência, procurações e contratos para simular a vontade das vítimas.

Antes que pudessem ser julgados, no entanto, os casos também foram dispensados pela Justiça. Um a pedido do próprio advogado e outro por questões processuais.

A denúncia foi apresentada em março e aceita pela Justiça. O caso tramita na Segunda Vara Criminal de Santa Maria. As penas para os crimes de estelionato e falsificação de documento particular vão de um a cinco anos de reclusão.

OAB-DF

Felipe Luiz Alencar Vilarouca nasceu em Cuiabá (MT). No site de seu escritório, ele afirma que atua em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Amazonas e no Distrito Federal.

Além da ação criminal na Justiça do DF, Vilarouca responde a um processo no Tribunal de Ética da subseção de Brasília da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-DF).

Segundo a entidade, o processo é sigiloso. No último dia 11, a OAB-DF deu prazo de 15 dias para que o advogado apresente suas razões finais no processo.

G1/DF

Sobre o autor

Jornalista, editor de Painel Político, consultoria em comunicação
Posts relacionados
Ministério Público Federal

MPF denuncia 20 acusados de fraudes no seguro-desemprego

Ministério Público Federal

OAB escolhe conselheiros para representar advocacia no CNJ e no CNMP

Ministério Público Federal

MPF/BA investiga critérios de corte de verbas das universidades públicas federais

Ministério Público Federal

MPF requisita manutenção de afastamento de presidente da CNI, alvo da "Fantoche"

Assine nossa newsletter e receba o boletim semanal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *