Ancelmo Góes informa em sua coluna no jornal O Globo que o desembargador Antônio Carlos Nascimento Amado, da 3ª Câmara Criminal, negou pedido de liminar de Flávio Bolsonaro para que fosse suspensa a investigação do Ministério Público do Rio sobre o Caso Queiroz

Na ação, o filho do presidente alegava que houve acesso ao seu sigilo fiscal e bancário, “sendo fornecidas informações muito além daquelas que constariam dos bancos de dados do Coaf”. 

Mas, para o desembargador, “não houve fornecimento de dados sigilosos”. 

Em sua decisão, o desembargador afirmou que “caso o Ministério Público estivesse em vias de propor alguma medida judicial (recebimento de denúncia, restrição a alguma atividade do paciente), poderia se paralisar o andamento do procedimento investigatório, até melhor exame da conduta praticada pelo Ministério Público, se compatível ou não com os preceitos constitucionais. Não é a hipótese”. 

E conclui dizendo que “o procedimento já está tramitando sob o regime especial de super sigiloso, a fim de resguardar os dados do conhecimento por terceiros”.

Com Ancelmo Goés/O Globo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *