Tribunais regionais

Juiz de SP condena homem a mais de mil anos de prisão por estuprar 63 vezes sua enteada de 5 anos

Padrasto abusou sexualmente de criança durante cinco anos, em Bálsamo, no interior de São Paulo; advogado de acusado já recorreu contra a decisão

Um homem foi condenado a 1.008 anos de prisão pela Justiça de Fernandópolis, no interior de São Paulo, por estupro de vulnerável. Segundo a sentença, o acusado – que já está preso –abusou sexualmente da enteada 63 vezes, durante os cinco anos pelos quais manteve relacionamento com a mãe da vítima.

A pena foi divulgada nesta quinta-feira (14) e é uma das mais altas já aplicadas pela Justiça de São Paulo. Para chegar à condenação de 1.008 anos de prisão, o cálculo da pena levou em conta todas as 63 vezes em que a investigação estima que a menina tenha sofrido estupro , multiplicadas pela pena de 16 anos prevista para crime hediondo. Ainda houve alguns agravantes que aumentaram a pena, por se tratar de crime continuado e contra uma criança menor de 14 anos.

De acordo com a denúncia do Ministério Público Estadual (MP-SP), o homem morava com a menina e a mãe em uma propriedade rural, em Bálsamo (SP). Os abusos teriam começado quando a criança tinha seis anos, em 2012, e só foram interrompidos aos 11 anos, em 2018, quando a mãe rompeu o relacionamento com o condenado .

A tia materna da criança foi quem desconfiou dos abusos, no ano passado, e relatou suas suspeitas à polícia. Após serem realizados exames de corpo de delito na criança, as suspeitas de estupro foram confirmadas e o processo passou a ser julgado em segredo pela Justiça.

Ouvida no inquérito, a menina deu detalhes e como aconteciam os abusos e, de acordo com a mãe da menina, ela não tinha conhecimento do que se passava dentro de casa. A identidade do acusado não foi revelada, como medida de preservação da menor.

A condenação por estupro de vulnerável é em primeira instância e a decisão já foi recorrida pela defesa do acusado. Caso a sentença seja mantida no tribunal, o réu deve ficar 30 anos preso em regime fechado.

Sobre o autor

Jornalista, editor de Painel Político, consultoria em comunicação
Posts relacionados
Tribunais regionais

Seguradora não precisa cobrir invalidez resultante de doença profissional

Tribunais regionais

Dois réus são absolvidos do estupro da estudante Naiara; mandante do crime segue sem identificação

Tribunais regionais

Novo júri dos acusados de estuprar e matar Naiara Karine acontece em Porto Velho

Tribunais regionais

Advogado preso e investigado na Operação Consilium Fraudi, em Ariquemes, é nomeado diretor da SEPOG

Assine nossa newsletter e receba o boletim semanal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *