Brasil

Cade impõe venda da Fox Sports para autorizar compra da Fox pela Disney

A Disney pode comprar a Fox no Brasil, contanto que venda o canal esportivo Fox Sports. A decisão foi anunciada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), por quatro votos a dois, nesta quarta-feira (27/2). A entidade entende que a manutenção do canal esportivo por parte da empresa, que já é dona da ESPN, configuraria duopólio.

Na decisão, o Cade ainda proibiu a Disney de disputar os contratos esportivos que pertencem ao canal Fox Sports por um prazo determinado.

Prevaleceu o voto do conselheiro Paulo Burnier, que deu um prazo para que a venda ocorra e permitiu que o Cade reavalie a operação caso a venda do canal fracasse. “Em caso de fracasso da venda do ativo, há a possibilidade do Cade reexaminar o ato de concentração”, afirmou.

Segundo o conselheiro, venda seria em “regime de porteira fechada”, ou seja, a empresa terá que vender o canal Fox Sports inteiro, inclusive ativos como prédios e equipamentos, e incluir na operação os funcionários e contratos com ligas esportivas, como a Copa Libertadores da América e Sul-Americana.

“Sem a venda do Fox Sports o mercado de esportes na TV a cabo ficaria concentrado em apenas duas empresas, que deteriam 95% do mercado. A operação entre a Fox e a Disney uniria em um mesmo grupo econômico o ESPN e Fox Sports. Nesse sentido a aprovação do ato de concentração representaria a criação de duopólio”, disse.

Aprovação Condicionada

A relatora do processo, Polyanna Vilanova votou pela aprovação condicionada apenas a remédios comportamentais, que envolviam a obrigação de dar condições igualitárias em contratos com grandes e pequenos provedores de TV por assinatura. A conselheira foi acompanhada pelo conselheiro Maurício Bandeira Maia.

O Caso

A compra da Fox pela Disney avaliada em mais de US$ 50 bilhões, equivalentes a cerca de R$ 187 bilhões. No Brasil, a fusão deixou a Disney como dona de dois dos três principais canais esportivos da TV, a ESPN e a Fox Sports – de fora da jogada, só a SporTV, do Grupo Globo.

Em dezembro, a superintendência geral do Cade recomendou ao tribunal do órgão que imponha restrições ao negócio por entender que a operação causaria um aumento significativo na concentração no mercado de canais esportivos e, assim, não poderia ser aprovada.

Na avaliação do advogado Eric Hadmann, do Gico, Hadmann & Dutra Advogados, o Cade fez uma análise profunda e a preocupação concorrencial da autarquia no mercado de canais de esportes em TV por assinatura era justificada.

“A união de Disney e Fox nesse mercado resultaria em um agente com 36% de mercado em um mercado que conta basicamente com a Globo (aproximadamente 59%) e a Bandsports com apenas 5%. Apesar de eu achar relevante, o Cade descartou a rivalidade das novas plataformas, como por exemplo o Facebook que transmite a Champions League gratuitamente no Brasil. Mas na minha opinião, o maior desafio desse caso será operacionalizar a venda do canal Fox Sports “porteira fechada”, ou seja, dos imóveis no Rio de Janeiro, da transferência dos empregados e dos contratos com as ligas esportivas e de distribuição com as operadores de TV por assinatura”, avalia.

AT 08700.004494201853

Posts relacionados
Brasil

TRF1 diz que Vale desobedece ordem de paralisar mineradora no Pará

Brasil

Dallagnol diz que Fux apoiou Moro em 'queda de braço' com Teori, "In Fux We Trust"

Brasil

Defesa de Lula pede suspeição de um dos procuradores que assinaram denúncia do sítio de Atibaia

Brasil

PF abre 4 inquéritos para apurar vazamento de mensagens de Moro e procuradores da Lava Jato

Assine nossa newsletter e receba o boletim semanal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *