CNJ

Após restrição do CNJ, pelo menos 2 tribunais devem pagar auxílio-moradia

O TJ do Rio Grande do Sul é o campeão dos gastos do levantamento, desembolsando R$ 40,3 milhões com auxílio-moradia em 2018

Depois de o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) restringir o pagamento de auxílio-moradia, pelo menos dois tribunais devem seguir pagando o benefício a magistrados, aponta levantamento feito pelo Estado em 91 Cortes de todo o País. No Superior Tribunal de Justiça (STJ), dos 17 ministros que receberam o benefício em 2018, apenas um deve manter o auxílio-moradia este ano. O Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), também sediado em Brasília, prevê que o número de magistrados beneficiados caia de 560 para 24, no máximo.

Ao longo das últimas três semanas, a reportagem procurou todos os tribunais superiores, regionais federais, regionais do trabalho, regionais eleitorais, de Justiça estaduais e os três tribunais de Justiça militar (do Rio Grande do Sul, Minas Gerais e São Paulo) para mapear os efeitos da resolução aprovada pelo CNJ em dezembro do ano passado.

Pelas novas regras, o auxílio-moradia deve ser concedido apenas para os magistrados que atuam fora da comarca de origem, que não tenham casa própria no novo local de trabalho, nem residência oficial à disposição. O benefício não pode ser concedido quando o cônjuge ou companheiro do magistrado receber ajusta de custo para moradia ou ocupar imóvel funcional.

Um ministro do STJ que perdeu o benefício disse reservadamente à reportagem que não havia “justificativa moral” para o recebimento permanente de auxílio moradia.

Mesmo procurados, os 27 tribunais regionais eleitorais foram desconsiderados da análise porque não pagam o benefício a magistrados, que o recebem diretamente de seus órgãos de origem. O levantamento concentrou-se nos outros 64 tribunais que concederam o auxílio-moradia ao longo do ano passado – desse universo, 51 responderam total ou parcialmente aos questionamentos do Estado, enquanto 13 não haviam apresentado os esclarecimentos solicitados até a publicação deste texto.

Transparência

O questionário da reportagem incluía 10 perguntas sobre os gastos dos tribunais com auxílio-moradia a seus magistrados no último ano, a quantidade de ministros, desembargadores e juízes beneficiados – e a relação completa com os nomes dos magistrados que receberam a verba -, além dos procedimentos adotados para aplicar as novas regras fixadas pelo CNJ para estabelecer quem perderia ou não a ajuda de custo.

O levantamento lançou luz não apenas sobre os gastos dos tribunais com o benefício, mas também sobre a transparência das Cortes – e a disposição delas em divulgar abertamente informações solicitadas, quando provocadas. Ao todo, 38 tribunais responderam ao questionário de maneira detalhada a cada uma das perguntas, como no caso dos TRFs da primeira, segunda e quarta região, que gastaram juntos R$ 80,1 milhões com auxílio-moradia.

O TJ do Rio Grande do Sul é o campeão dos gastos do levantamento, desembolsando R$ 40,3 milhões com auxílio-moradia em 2018. Naquela Corte, há 768 magistrados que receberam o auxílio-moradia, dos quais 125 são desembargadores. Todos perderam o benefício.

Outros 13 tribunais se limitaram a responder que os dados procurados constavam em suas páginas oficiais na internet.

Proporcionalmente, os TJs estaduais foram os menos “transparentes” nas informações enviadas – 11 deles não responderam. Mesmo entre os que responderam, não houve justificativas totalmente esclarecedoras. Em um parágrafo, o TJ de São Paulo comunicou que os dados constavam no portal e que, por ora, não há previsão de gastos de auxílio-moradia para 2019.

O TJ de Alagoas não soube precisar o número de magistrados que perderão o direito de receber auxílio-moradia este ano. “Segundo último levantamento, a imensa maioria dos atuais beneficiários não terá direito ao auxílio-moradia, de acordo com as novas regras”, informou a assessoria do tribunal. Procurada novamente, não esclareceu a dimensão da “imensa maioria”.

O tribunal de Santa Catarina ressaltou a “carência de recursos humanos” para promover as “consultas solicitadas”. O do Acre informou que não conseguiria levantar os dados solicitados devido a uma transição em sua administração, “que, automaticamente, acarreta na troca de diretores e gerentes dos setores”.

A reportagem não localizou por telefone nem por e-mail nenhum assessor do TJ amazonense durante a apuração.

De uma maneira geral, os pedidos de auxílio-moradia serão analisados pelos presidentes dos tribunais ou pelos departamentos administrativos de pessoal. O TRT-19 informou que eventuais requerimentos serão apreciados pelo plenário. Já o Tribunal de Justiça de Roraima comunicou que aguarda uma decisão do plenário para saber se deve adotar as novas regras de auxílio-moradia na folha de pagamento de fevereiro.

Repercussão

Para o juiz federal Fernando Mendes, presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), a magistratura foi alvo de preconceito por conta do auxílio-moradia. “Trata-se o auxílio-moradia da magistratura como se fosse algum tipo de coisa imoral, quando esse tipo de prestação existe para diversas situações. Havia uma pauta como se o auxílio-moradia fosse o grande mal do País”, avalia Mendes, que é a favor de uma regulamentação com menos restrições.


Sobre o autor

Jornalista, editor de Painel Político, consultoria em comunicação
Posts relacionados
CNJ

Corregedor nega bloqueio imediato de valores para pagamento de precatórios

CNJ

Toffoli diz que caberá ao MP apurar se "é verdadeiro ou não" que Gilmar Mendes sofre perseguição

CNJ

CNJ pede explicações a juízes por falta de audiências de custódia

CNJ

CNJ intima juízes que decretaram prisão sem fazer audiência de custódia

Assine nossa newsletter e receba o boletim semanal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *