Ministério Público Federal

Advogadas são condenadas a mais de 21 anos de prisão por estelionato e extorsão

Condenadas simulavam investigações criminais praticadas por autoridades do MPF e delegados de polícia e cobravam pelos serviços advocatícios de vítimas

Acolhendo pedido condenatório do Ministério Público Federal (MPF), a Justiça Federal condenou as advogadas Valesca Ferreira Rodrigues e Luísa Kahale Raimundo Velasco a mais de 21 anos de prisão, em regime fechado, por extorsão, falsificação de documento público, tráfico de influência e estelionato.

Segundo ficou comprovado ao longo do processo (nº 0016092-30.2013.4.02.5101), as acusadas simulavam investigações criminais que seriam conduzidas por membros do MPF e/ou delegados da polícia e, em seguida, cobravam por possíveis serviços advocatícios. Pelo menos seis pessoas foram vítimas das criminosas de um expediente no qual eram induzidas pelas advogadas a acreditar na existência de investigações contra elas em diferentes órgãos, como o MPF , a Polícia Federal e a Polícia Civil.

Em seguida, eram chamadas a realizar pagamentos a pretexto de influenciar decisões ou por serviços advocatícios inexistentes. Luísa Velasco, que ao tempo dos fatos ocupava um cargo comissionado no MPF, e chegou a utilizar o telefone da Procuradoria Regional da República para cometimento dos crimes, além de constranger as vítimas, “utilizou-se da estrutura do MPF na qualidade de funcionária pública, assessora de Procurador da República, e da facilidade em acessar arquivos elaborados nos padrões da instituição, para falsificar os documentos públicos”, pontuou o juiz na sentença.

Com atuação nas áreas de direito penal e processual penal, Valesca e Luísa constrangiam seus clientes mediante grave ameaça a contratarem seus serviços advocatícios, induzindo-os a erro, mediante a falsificação e uso de documentos falsos, contendo símbolos identificadores de órgãos ou entidades da Administração Pública, forjados com o intuito de caracterizar investigações inexistentes e assim obter vantagem econômica indevida, decorrente do pagamento de serviços advocatícios que nunca seriam prestados.

Na decisão o juiz Federal Marcelo Bretas ressaltou “que ocorreram danos à imagem da Polícia Civil, Polícia Federal e do Ministério Público Federal, inclusive com imagens dos documentos contendo símbolos identificadores dos referidos órgãos, falsificação de assinaturas de servidores públicos, Procurador da República e Delegado”.

MPF/RJ

Sobre o autor

Jornalista, editor de Painel Político, consultoria em comunicação
Posts relacionados
Ministério Público Federal

OAB escolhe conselheiros para representar advocacia no CNJ e no CNMP

Ministério Público Federal

MPF/BA investiga critérios de corte de verbas das universidades públicas federais

Ministério Público Federal

MPF requisita manutenção de afastamento de presidente da CNI, alvo da "Fantoche"

Ministério Público Federal

Família que extraiu ilegalmente R$ 19 milhões em ouro na Amazônia é ré em ação do MPF

Assine nossa newsletter e receba o boletim semanal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Worth reading...
CNJ pede que TRF-4 explique criação de fundação da “lava jato”